Conexão Xalingo – Blog

Tag - programação em sala de aula

Mind Makers leva programação e robótica às escolas

Criada em 2016, a Mind Makers desenvolve sala especial e programa para escolas apresentarem programação, robótica e universo maker a seus alunos.

Nas escolas ou franquias, os alunos aprendem conceitos de programação, maker e robótica, em salas coloridas, planejadas para a colaboração. Para dar início à programação, os instrutores utilizam plataformas abertas code.org, que permite às crianças cumprir diferentes fases criando algoritmos de modo visual e intuitivo.

Numa das atividades realizadas em colégio envolvido com a Mind Makers, Angelo Oliveira, de 10 anos e aluno do 5º ano, foi desafiado a criar um conjunto de algoritmos para fazer um personagem zumbi chegar até uma planta e passar de nível. Com alguns blocos de direita e esquerda, seguidos pelo comando de repetir, a missão estava completa. Segundo Angelo, “o personagem tem que andar para frente e para trás 360 vezes. Eu errei bastante, mas consegui chegar. O professor falou que não pode desistir, porque errando é que se aprende”.

Já Heitor Medeiros, de 9 anos e do 3º ano, o projeto que une geografia e robótica é seu favorito: “eu gosto mais de controlar o sphero (robô em formato de esfera). Você conecta ele com o computador e põe comandos. A gente colocou o mapa mundi aqui e viajou pelos países como se fossem as primeiras rotas humanas”.

Para o professor da Mind Makers, Thiago Vale, a metodologia, que agrada os interesses dos estudantes, faz com que eles mesmos busquem conectar aprendizado tecnológica com as aulas tradicionais.  Já para os pais, o sistema da Mind Makers envia relatório com tarefas que os filhos desenvolvem em sala e o que deve ser estudados em casa. A empresa também estuda a ideia de oferecer curso online de seis horas para os pais.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube:  https://www.youtube.com/channel/UCEu_wTApB06msiH5SXQ-JRg

Fonte: http://porvir.org/empresa-une-curriculo-programacao-para-desenvolver-habilidades/

Siga essas dicas para inserir a programação em sala de aula

Muitos professores ainda “torcem o nariz” para a programação. Mas programar tem benefícios muito importantes para o aluno, pois ela auxilia a desenvolver raciocínio lógico, autonomia, pensamento crítico, colaboração, trabalho em equipe e empatia. Além disso, a atividade não é algo de outro mundo e, em alguns casos, nem é necessário utilizar o computador.

Jocemar do Nascimento, pedagogo e coordenador do projeto de ensino de programação e robótica na FUNDETEC (Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico), salienta que, ao preparar os alunos para o mundo atual, é importante oferecer subsídios a esse alunos, para que eles não sejam apenas consumidores de conteúdo.

Segundo ele, a programação pode ser inserida nas escolas de diversas formas e disciplinas. O professor pode utilizar a programação para produção de recursos didáticos, onde ele desenvolve e aplica-os, ou então trabalha com os alunos para que eles mesmos produzam os seus conteúdos, exercitando conhecimentos a partir da linguagem de programação.

Quando ensinada com contexto, ela é uma grande aliada para o processo de aprendizagem. Por exemplo: vamos imaginar que a aula seja sobre alimentação saudável. Com a linguagem de programação, eu posso pedir aos alunos para criar uma história animada, um jogo ou desenvolver em robótica algo sobre o tema. Um professor de matemática, por exemplo, pode utilizar a programação no campo das formas geométricas e das operações aritméticas, já um professor de língua portuguesa, pode usar a programação como suporte na alfabetização ou produção de textos, sendo vista como uma nova forma de abordagem, que aproxima o envolvimento do aluno com o conhecimento e sua interação com o objeto de estudo.

Nem sempre é necessário computador…

As atividades desplugadas são aquelas que não precisam de computador. Com elas, é possível vivenciar de forma concreta a programação, estimulando a convivência, criatividade e antecipando fatos que irão auxiliar posteriormente em programações com softwares específicos.

E para iniciar a linguagem de programação com estudantes, uma sugestão é começar pelo Programaê. Ele é uma plataforma gratuita, que visa ensinar os primeiros passos na programação de forma lúdica e interativa, a partir de desafios com personagens que os estudantes já conhecem. A plataforma possui planos de aula e sequência didáticas que auxiliam o professor, inclusive em atividades desplugadas.

Softwares utilizados

Para ensinar programação, o professor não precisa ser programador. Basta ter interesse e vontade de aprender. Existem ferramentas gratuitas e intuitivas que foram desenvolvidas para o ensino de programação de crianças e jovens, e que permitem muita interação.

O Code.org é um deles. Ele tem o objetivo de desmistificar e democratizar o aprendizado de programação. Para isso, possui uma série de atividades para professores que desejam ensinar programação, permitindo que os alunos possam dar continuidade nestes aprendizados em casa, realizando uma extensão da sala de aula, podendo criar clubes de programação com os colegas.

Há também o Scratch. Com ele, qualquer professor, mesmo sem conhecimento prévio, pode ensinar programação para crianças de forma simples e intuitiva. Por meio de blocos de comandos que se encaixam, o Scratch permite a criação de jogos, animações e histórias interativas que podem ser facilmente disponibilizadas no site do projeto e compartilhadas com crianças de outras escolas. A ferramenta ajuda a dar forma à imaginação e pode ser trabalhada de maneira offline.

Dê um passo à frente e pense na ideia de ensinar programação aos seus alunos, professor. E se gostou dessa postagem, aproveite para comentar abaixo!

Fonte:
https://novaescola.org.br/conteudo/12303/como-levar-a-programacao-para-a-sala-de-aula

Mind Makers leva programação e robótica às escolas

Criada em 2016, a Mind Makers desenvolve sala especial e programa para escolas apresentarem programação, robótica e universo maker a seus alunos.

Nas escolas ou franquias, os alunos aprendem conceitos de programação, maker e robótica, em salas coloridas, planejadas para a colaboração. Para dar início à programação, os instrutores utilizam plataformas abertas code.org, que permite às crianças cumprir diferentes fases criando algoritmos de modo visual e intuitivo.

Numa das atividades realizadas em um colégio envolvido com a Mind Makers, Angelo Oliveira, de 10 anos e aluno do 5º ano, foi desafiado a criar um conjunto de algoritmos para fazer um personagem zumbi chegar até uma planta e passar de nível. Com alguns blocos de direita e esquerda, seguidos pelo comando de repetir, a missão estava completa. Segundo Angelo, “o personagem tem que andar para frente e para trás 360 vezes. Eu errei bastante, mas consegui chegar. O professor falou que não pode desistir, porque errando é que se aprende”.

Já para Heitor Medeiros, de 9 anos e do 3º ano, o projeto que une geografia e robótica é seu favorito: “eu gosto mais de controlar o sphero (robô em formato de esfera). Você conecta ele com o computador e põe comandos. A gente colocou o mapa mundi aqui e viajou pelos países como se fossem as primeiras rotas humanas”.

Para o professor da Mind Makers, Thiago Vale, a metodologia, que agrada os interesses dos estudantes, faz com que eles mesmos busquem conectar aprendizado tecnológico com as aulas tradicionais. Já para os pais, o sistema da Mind Makers envia relatório com tarefas que os filhos desenvolvem em sala e o que deve ser estudados em casa. A empresa também estuda a ideia de oferecer curso online de seis horas para os pais.

Fonte: http://porvir.org/empresa-une-curriculo-programacao-para-desenvolver-habilidades/