Conexão Xalingo – Blog

Tag - incentivo a leitura

Tecnologia e leitura inimigas? Nem pensar!

Incentivar o hábito pela leitura através do uso de meios tecnológicos. Essa é a ideia do Elefante Letrado, plataforma que começou suas atividades em 2015.

Como uma espécie de biblioteca digital e interativa, a Elefante Letrado tem cerca de 400 livros direcionados a crianças e jovens até o quinto ano do ensino fundamental. A curadoria destas obras é realizada por pedagogos e educadores, sempre levando em conta a faixa etária das crianças. Seu sistema é organizado com base em cinco níveis de proficiência em compreensão leitora, que possuem subníveis nomeados por letras de A a Z. Os livros não são apenas digitalizados, mas também ganham uma nova diagramação e também animação.

Ao acessá-la, o exercício da leitura vira um grande jogo: o estudante pode optar por escutar o livro, ler ou realizar uma das atividades pedagógicas, que pode ser um jogo de perguntas, jogo da memória, múltipla escolha e outras. Quando ele completa 75% dos livros e atividades disponíveis, o jovem tem acesso aos títulos do próximo nível. Em média, cada prateleira (como são chamadas a disponibilidade de livros por nível) tem 14 títulos.

A plataforma está em 27 escolas e atinge mais de 3.500 alunos, sendo parte fora do Brasil, em instituições onde o português é a segunda língua. E neste primeiro ano de existência, o Elefante Letrado começa a fazer pesquisas de avaliação e, no Brasil, percebe as dificuldades entre os educadores para o uso das tecnologias.

Apesar disso, existem exemplos como de uma escola que relatou que seus alunos de primeiro e segundo ano tinham lido 60 livros em dois meses.

Conheça mais da plataforma aqui.

 – – –

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

– – –

Créditos da imagem: Freepik
Fonte: Porvir

Estes 6 aplicativos gratuitos vão te ajudar a contar histórias

Contar histórias pode ser uma excelente forma de engajar mais as suas aulas em 2020. A educação fica mais lúdica e divertida, melhorando o aprendizado dos alunos. E, para você, temos estas dicas.

6 aplicativos que vão aprimorar as suas histórias e aumentar o interesse de seus alunos pela leitura. Confira!

Inventeca

Esse aplicativo é como uma banca de livros e estimula a autoria das crianças. Com recursos para todas as idades, ele permite soltar a imaginação e narrar as próprias histórias, que ficam gravadas e podem ser compartilhadas com familiares e amigos. Disponível para Android e iOS.

Crianceiras

Com poemas musicados e animados de Manoel de Barros, o aplicativo traz clipes, poemas com sons, figuras e significados, desenhos e ferramentas para capturar fotos com personagens das obras. Disponível para iOS.

Animal Sounds

Com mais de 100 sons de animais, o aplicativo disponibiliza imagens e categorias que permitem envolver as crianças em uma jornada imersiva para criar e contar histórias. Disponível para Android e iOS.

Chatterpix Kids

A ferramenta promete fazer qualquer coisa falar, desde desenhos até fotos de animais de estimação ou personagens. As crianças podem tirar foto do que elas quiserem e incluir a própria voz para criar uma história. Disponível para Android e iOS.

Novel Effect

Além de incluir um catálogo de mais de 200 obras (em inglês), o aplicativo traz efeitos sonoros e músicas que podem tornar a contação de histórias um momento dinâmico e divertido. Disponível para Android e iOS.

Google Spotlight Stories

Com o aplicativo é possível contar histórias a partir de narrativas em realidade virtual. Com recursos imersivos em 360º, os estudantes podem ser transportados para um ambiente virtual que estimula a imaginação. Disponível para Android e iOS, o usuário pode escolher sua história pelo site do Google Spotlight Stories.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://porvir.org/6-aplicativos-gratuitos-para-contar-historias

A leitura que supera desafios

O desemprego não tirou do professor Luiz Carlos a vontade e a paixão de ensinar. A calçada de uma rua sem pavimentação é o local escolhido por Luiz para ensinar literatura a crianças de um dos mais carentes bairros da capital de Sergipe.
A “sala de aula” não tem cadeiras, mas as crianças acomodam-se no chão e vencem o que poderia ser a primeira barreira para se aproximarem dos livros. As aulas acontecem uma vez por semana e com elas, os pequenos podem desvendar o conteúdo literário que o professor traz em uma sacola. Quando não está sendo utilizado, o material de apoio fica exposto em um varal, à espera do próximo interessado.

O mês de novembro de 2017 foi o início do trabalho voluntário, após Luiz participar de um workshop literário. Desde o início do projeto, 12 crianças já participaram das atividades enquanto seus pais estão trabalhando. Luiz diz que a “educação é o meio de transformação sócio- cultural para a vida de cada uma dessas crianças levando respeito, dignidade, conhecimento e independência financeira”.

A escritora e coordenadora do Projeto Lê Campo/SE, Jeane Caldas, conheceu o trabalho do professor, e se apaixonou pela causa. “Ele sempre fez este trabalho, mas agora as ações de leitura foram intensificadas, porque conseguimos que fizesse parte do projeto Rede Ler e Compartilhar e Eu Leio, que fazem parte do programa nacional de incentivo à leitura. O programa disponibiliza sacolas circulantes com 30 livros e oferece formação continuada para os professores e mediadores de leitura, mas não paga nada por esse trabalho. Entrei na parceria por meio da Secretaria de Estado de Educação”, conta.

Você também participa de um projeto voluntário que leva mais educação a crianças carentes? Conte pra gente!

Fonte: https://g1.globo.com/se/sergipe/noticia/professor-desempregado-leva-literatura-a-criancas-carentes-de-aracaju.ghtml

Um modo diferente de incentivar a leitura

Para incentivar seus cidadãos a lerem, a cidade de Jundiaí/SP decidiu comemorar seus 362 anos com um projeto diferente: o programa “Geladeiras Literárias”.

Cada terminal urbano da cidade recebeu uma geladeira. Mas engana-se quem pensa que dentro dela vai encontrar frutas, verduras, leite ou ovos. Seu conteúdo é para quem tem fome de leitura. Os livros estão disponíveis para retirada e leitura por qualquer cidadão da cidade. Após a sua leitura, o livro deve ser devolvido em alguma geladeira, em qualquer um dos terminais.

A ideia é ampliar o gosto pela leitura por parte da população. Segundo o gestor da Unidade de Cultura, Marcelo Peroni, “quem pegar um livro para ler pode devolver em qualquer um dos locais. E quem tiver uma obra em casa e quiser deixar na geladeira para que outros leiam, também é permitido”.

Há opções para diversos gostos e idades, e o governo municipal já recebeu quatro toneladas de livros em doações, que incluem obras infantis, romances, poesias e contos.

Que achou dessa ação? E você, como faz para incentivar a leitura? Conte para a gente!

Créditos da foto: Fotógrafos PMJ

Fonte: https://g1.globo.com/sp/sorocaba-jundiai/noticia/programa-geladeiras-literarias-incentiva-a-leitura-nos-terminais-urbanos-de-jundiai.ghtml

Incentivo à leitura através da tecnologia

Como atrair as crianças e adolescentes para as bibliotecas é uma grande missão para muitos educadores. E é na Biblioteca Municipal Centenário, em Poços de Caldas/MG, que o projeto BiblioArte LAB tem mudado a dura realidade da pouca adesão por este público.

A ideia é utilizar a tecnologia para criar novas práticas de leitura e incentivar a formação de novos leitores, transformando a biblioteca pública em um espaço inovador, capaz de estimular a criatividade e o desenvolvimento de talentos por meio da cultura digital.

Percebendo que os jovens podem influenciar a leitura espontânea, ao compartilhar conteúdos multimídia sobre as obras que mais gostam, o projeto criou um espaço para que ocorram encontros com intuito de criarem suas próprias manifestações artísticas e culturais. As atividades realizadas são, por exemplo, publicações eletrônicas, produção de vídeos literários para canais na internet e também transformações de obras literárias em pequenas animações web e até memes.

Para trazerem os estudantes ao projeto, houve visitas nas escolas públicas da região. Estes encontros foram muito positivos e, com o passar do tempo, nem foram mais necessários, já que aconteceu grande adesão de alunos. E hoje eles são cerca de 40 jovens, que acabam sempre levando uma ou duas pessoas junto.

Os encontros e atividades do projeto acontecem em um laboratório de inovação e prática de leitura. Entre os itens disponíveis no espaço, estão projetores, computadores, notebooks, smartphones e uma lousa digital.

Os resultados positivos da iniciativa são imensos e entre eles estão participações em revistas, por exemplo, e todas as experiências do BiblioArte LAB tornaram a Biblioteca Municipal Centenário reconhecida entre as três iniciativas brasileiras selecionadas pelo Programa Ibero-americano de Bibliotecas Públicas – Iberbibliotecas, que seleciona projetos inovadores de acesso à leitura, inclusão social e qualificação da educação e do desenvolvimento.

O projeto é desenvolvido pela ONG Casa da Árvore, em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura da cidade.

Fontes:  http://porvir.org/cultura-digital-aproxima-jovens-de-biblioteca-publica/