Conexão Xalingo – Blog

Tag - coronavírus e educação

Estes professores foram divertidos para atrair atenção nas aulas online (parte 2)

Na postagem “Estes professores foram divertidos para atrair atenção nas aulas online (parte 1)” você viu exemplo de que os professores têm feito para buscar uma aproximação com os estudantes, durante as aulas à distância. Confira mais situações que estão acontecendo nesse período!

Tempo de preparo de aula fica maior

O tempo para preparar as aulas ficou maior: o conteúdo que, antes da pandemia, era ensinado apenas com giz/caneta e lousa passa a ser apresentado em slides, de forma mais condensada. “Para prepará-los, levo de 4 a 5 dias”, diz Manzi.

“Preciso correr atrás de imagens que substituam os desenhos que eu fazia. Também encontrei um programa que permite que eu apareça enquanto os slides estão sendo exibidos. É trabalhoso, mas está dando certo”, completa.

Wander Azanha, professor de física da Oficina do Estudante, em Campinas (SP), preferiu comprar uma lousa branca e pendurá-la em seu escritório. “Fica mais dinâmico. Alguns professores estão comprando as lousas digitais, mas os preços subiram muito durante a pandemia”, conta.

Outra preocupação a ser levada em conta, no preparo das aulas, é o tempo. Izidoro, por exemplo, precisa apresentar o conteúdo de 100 minutos em apenas 40. “O professor vira um roteirista. Elaboro um roteiro pré-aula, testo e vejo se está dando certo. Tento prever quais dúvidas os alunos terão, para não precisar aguardar o chat. É um trabalho diferente do que eu estava acostumado. Era só pegar o giz, que a coisa já acontecia”, brinca.

Compra de equipamentos e de ‘chroma key’

As casas dos professores viraram basicamente estúdios: cômodos receberam iluminação especial e até um varal com pano verde – uma espécie de “chroma key”. Essa técnica permite que, pelo computador, a cor sólida do fundo seja substituída por qualquer outra imagem.

“Já busquei uma foto de banheiro chique na internet e a coloquei como fundo. É um jeito de descontrair por alguns minutos e manter a concentração dos alunos”, diz o professor Izidoro. “Também brinco de colocar uma camiseta verde e fingir que estou desaparecendo.”

Já Tony Manzi preferiu comprar o “chroma key” para apresentar o conteúdo de biologia de um modo mais criativo. “Quero projetar imagens dos animais, das células ou das plantas”, diz.

E as compras do professor não pararam por aí. “Nas minhas primeiras aulas online, vi que a câmera tinha imagem embaçada, a falta de iluminação criava sombras e a qualidade do áudio não estava boa”, conta Manzi. “Fui atrás de uma ‘webcam’ melhor, de um microfone de lapela e de uma luz boa. Fiquei vendo como os ‘youtubers’ de game fazem. São investimentos para uma aula melhor”, diz.

Créditos da foto: https://revistapegn.globo.com/Banco-de-ideias/noticia/2020/03/ensino-distancia-ganha-impulso-com-suspensao-das-aulas.html

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://g1.globo.com/educacao/enem/2020/noticia/2020/07/14/na-pandemia-professores-de-cursinho-dancam-cantam-e-mostram-cachorros-e-filhos-para-chamar-atencao-de-alunos-em-aulas-virtuais.ghtml

Estes professores foram divertidos para atrair atenção nas aulas online (parte 1)

Para atrair a atenção dos alunos durante as aulas à distância na pandemia, muitas são as estratégias. Estes professores utilizaram da diversão para ter alunos mais conectados. Confira as ideias utilizadas!

“É muito difícil concorrer com a cama deles”, diz Aluísio Júnior, professor de geografia do Curso pH, no Rio de Janeiro. “Eles querem dormir, é uma competição desleal”. Quando as aulas presenciais foram suspensas, no início da pandemia do novo coronavírus, Júnior ficou com receio de trocar as salas de aula lotadas pelo ensino à distância. “Tive medo, porque gosto do olho no olho, gosto de ver como os alunos estão. Adaptar isso para o vídeo é muito difícil. Mas estou buscando estratégias para não perder a atenção dos estudantes”, conta.

Às 7h da manhã, quando a aula começa, Júnior liga a caixinha de som e coloca um samba para tocar.

“Sou do pagode, mas tento me adequar à realidade dos alunos e entrar no mundo deles. Nesta semana, conversei com uma aluna sobre K-pop [gênero musical da Coreia do Sul]. Também criei conta no TikTok [rede social de vídeos curtos], para ver como é isso. Preciso entender do que eles gostam, para aí criar paródias ou dancinhas interessantes sobre o conteúdo de geografia”, diz.

Os cães entram em cena

Eduardo Izidoro, professor de matemática do Cursinho da Poli (SP), também incluiu os animais em suas aulas. “Acabo levando para o humor. Moro no interior de São Paulo, em uma região com muito verde, então os passarinhos piam, aí assobio junto. Minha cachorra de 2 kg, que acha que é pitbull, late bastante, aí a levo até a câmera, ela lambe a lente”, diz.

As crianças também fazem sucesso. Tony Manzi, professor de biologia do cursinho Maximize (SP), usa desenhos do Bob Esponja, ao falar de poríferos, e mostra uma cena da Dory, personagem de “Procurando Nemo”, na aula de anêmonas. E aí não são só os alunos que ficam mais interessados pelo conteúdo: Enzo, de 5 anos, também quer participar. “Meu filho já virou integrante da aula; pessoal espera o ‘oi’ e o ‘tchau’ dele. Ele fica curioso, quer ver o que está acontecendo”, diz Manzi.

Sem contato visual, mas com muitas perguntas

Uma das principais dificuldades relatadas pelos professores é a impossibilidade de ver as reações dos alunos durante as explicações. Segundo eles, em uma sala de aula, é mais fácil notar a expressão facial dos que têm dúvidas, por exemplo, ou perceber se estão desconcentrados.

“A falta de feedback é estranha, foi muito complicado para mim. Nas aulas virtuais, as reações chegam via chat, por escrito. Só que, se eu me empolgar na explicação, acabo ficando sem olhar a janelinha de conversa e perco as perguntas que os alunos fazem”, diz Manzi.

Para solucionar essa questão do chat, Aluísio Júnior faz pausas a cada meia hora e fala o nome de determinados estudantes. “Convoco alguns para participarem”, afirma. “Eles não gostam de abrir o microfone para falar, acabam sempre digitando a dúvida. Também tento interações mais descontraídas, para a aula ficar mais dinâmica. Não dá para eu ficar falando sozinho por 1h30 – pergunto se alguém sabe tocar violão, por exemplo. Outro dia, um aluno puxou um berimbau e tocou”, diz.

Apesar das dificuldades trazidas pela distância física, os docentes percebem um ganho: em frente às telas, alguns alunos se sentem mais encorajados para fazer uma pergunta. “A aula inibe os mais tímidos. Eles acabam perdendo a vergonha nas chamadas de vídeo, aí escrevem no chat”, conta Júnior.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://g1.globo.com/educacao/enem/2020/noticia/2020/07/14/na-pandemia-professores-de-cursinho-dancam-cantam-e-mostram-cachorros-e-filhos-para-chamar-atencao-de-alunos-em-aulas-virtuais.ghtml

Professoras mostraram que é possível unir duas matérias

As professoras Janaína Fernandes Pessoa e Elaine Higino se uniram para aula sobre texto narrativo e geometria no fundamental 1. Confira!

Com toda a situação da pandemia em andamento, aulas remotas e distanciamento social, as professoras realizaram um projeto interdisciplinar com dois componentes curriculares que geralmente os alunos veem como distantes: língua portuguesa e matemática.

“A ideia foi trabalhar o texto narrativo e a construção de personagens através de sólidos geométricos dando a oportunidade dos alunos criarem um universo de possibilidades, experimentando o pensamento, colocando a mão na massa, gerando envolvimento com as famílias e vivendo a construção dos conhecimentos. Dividimos o projeto em quatro etapas e cada uma delas trabalhou um P da aprendizagem criativa (projeto, paixão, parcerias e pensar brincando)”, conta Janaína.

Elas então apresentaram a ideia para os alunos de quatro turmas do 4º ano do ensino fundamental em forma de um vídeo convite, convidando os alunos a embarcarem nessa criação. Para isso elas fizeram o vídeo em formato de narrativa, com personagens, para promover o interesse dos alunos, e estes ficaram muito empolgados com a possibilidade de desenvolver um projeto à distância.

Etapas do projeto

“Na primeira etapa trabalhamos a imaginação, onde os alunos tiveram aulas invertidas de língua portuguesa e matemática, videoaulas que foram gravadas por nós, professoras, explicando o que é um texto narrativo e seus elementos, e também o que são sólidos geométricos. Nas aulas síncronas, fizemos a discussão das ideias, com momentos para tirar dúvidas e realizamos uma oficina de criação de roteiro de imaginação, onde os alunos fizeram a chuva de ideias para a sua narrativa”, salienta Janaína.

Já a segunda etapa foi de criação dos personagens. Na aula de língua portuguesa, com o roteiro de imaginação em mãos, os alunos fizeram um roteiro para criação de seus personagens e colocaram a mão na massa durante a aula de matemática, prototipando seus personagens de sólidos geométricos. “A empolgação foi total. Com os personagens prontos, foi a hora de criar a história. Nessa terceira etapa, o pensar brincando foi muito explorado”, afirma Janaína.

A quarta e última etapa foi de compartilhamento. Em três aulas os alunos puderam interagir uns com os outros durante a apresentação das suas histórias, fazendo um pequenos teatro com os personagens e cenários criados.

Resultado

“O brilho nos olhos, a empolgação por ver e ouvir os colegas, a alegria em poder apresentar seu trabalho e interagir com os colegas, mesmo cada um estando em suas casas foi um fator observado muito relevante. Os alunos sentiram-se unidos, próximos, juntos novamente. Os estudantes criaram conexões entre língua portuguesa e matemática que nos surpreenderam.

O envolvimento das famílias com a apresentação dos trabalhos foi muito bonito e algumas mães agradeceram a oportunidade de poder participar de um momento tão significativo dentro desse atual contexto que estamos vivendo”, fala Janaína, empolgada com o resultado.

Segundo Janaína, desenvolver um projeto interdisciplinar à distância lhes ensinou muito sobre como podemos e devemos superar obstáculos e perceber nossas potencialidades. Foi uma experiência muito rica, que marcou as vidas delas como educadoras.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://porvir.org/professoras-se-unem-para-aula-sobre-texto-narrativo-e-geometria-no-fundamental-1/

6 coisas que você precisa para gravar suas aulas à distância

Quer deixar gravadas algumas de suas aulas à distância, com qualidade e que sejam engajadoras, mas não sabe por onde começar? Então saiba o que é necessário.

Com a pandemia em andamento, as aulas à distância mantêm-se como a possibilidade da educação continuar acontecendo. E se vocês, além das clássicas “lives”, transmissões por Zoom e WhatsApp, quer também proporcionar conteúdos mais trabalhados ou até mesmo continuar na educação EAD pós-pandemia, aqui vão algumas dicas do que você vai precisar.

1) Roteiro

Antes de qualquer coisa, você precisa elaborar um roteiro. A ordem da gravação das videoaulas não tem muita importância. Você é quem decide se quer gravar primeiro a introdução, o conteúdo ou a conclusão. Afinal, isso pode ser editado na pós-produção.

Mas, as informações de cada uma dessas partes devem ser bem organizadas em um roteiro, para que você não se perca e nem deixe nada passar em branco. É importante lembrar que você está gravando um vídeo e não pode desperdiçar tempo. É preciso transmitir sua mensagem de forma clara, simples e objetiva. Do contrário, o seu conteúdo pode deixar o aluno confuso e desorientado. Consequentemente, você perderá a atenção dele.

2) Ambientação

A ambientação é o cenário que você vai utilizar para as gravações e é muito importante que esse local seja tranquilo, longe de distrações e barulhos que possam interferir no áudio da filmagem.

Busque sempre um ambiente bastante iluminado para fazer as gravações. Todo fotógrafo e cinegrafista sempre busca pela melhor luz para os seus registros. Assim, além das suas filmagens saírem muito mais nítidas, você ficará ainda melhor apresentado(a) nas suas videoaulas.

3) Câmera

Dependendo da sua condição financeira, o celular pode sim, ser utilizado. Inclusive, há muitos aplicativos para criar seus vídeos e muito fáceis de mexer. Mas claro: a recomendação é utilizar o equipamento mais profissional ao seu alcance. Isso, sem sombra de dúvidas, interfere no resultado final.

Uma câmera semiprofissional é um investimento muito válido para quem possui sua própria empresa de cursos online ou seu próprio curso de ensino a distância. Porém, se você só tiver um celular ao seu alcance – que filme, no mínimo, em HD – ótimo também.

4) Microfone

A menos que você esteja em um ambiente totalmente isolado e recluso, será impossível que o seu áudio saia perfeito usando apenas sua câmera ou celular. O mais provável é que seu vídeo fique cheio de chiados, barulhos e ecos, oque pode desagradar os ouvidos dos seus alunos.

Investir em um microfone é essencial para entender como gravar videoaulas. Esse dispositivo captará um som mais claro e de melhor qualidade para as suas gravações. Caso não conte com uma verba para essa aquisição, no momento, você pode transformar o seu celular em um microfone. Use o gravador do aparelho, mantendo-o próximo a você enquanto grava o vídeo.

O trabalho será concentrado ao momento  da edição, já que será preciso sincronizar áudio e vídeo. Mas nada que seja impossível de fazer.

5) Computador

É claro, o seu computador também deve estar preparado para a edição após a gravação das videoaulas. O caso é que os softwares de edição costumam exigir um alto desempenho da máquina. Sendo assim, dependendo das especificações do dispositivo, ele pode acabar ficando muito lento, durante a execução do programa.

Portanto, para que o software não fique travando e você não leve horas para editar suas aulas, é importante ter um computador que aguente essa tarefa.

Então, aqui vão duas dicas para você:

– Invista em uma boa placa de vídeo

Essa peça é responsável por executar as imagens nos computadores. Uma placa de vídeo apropriada ajudará a facilitar a edição de vídeos.

– Preste atenção ao processador

O processador é outro fator importante. Ele é quem endereça os dados de acordo com a aplicação.

Um computador com processador a partir do Intel Core I5 ou equivalente é o mais adequado para esse caso.

Você pode optar por comprar uma nova máquina ou melhorar seu computador atual. No segundo caso, não deixe de consultar uma assistência técnica de informática.

6) Software de edição

Nesse momento, você transformará todo esse material bruto na aula EAD. É hora de fazer os cortes, eliminar as falhas, sincronizar imagem e som e inserir uma trilha sonora.

As opções de softwares de edição são inúmeras. O Adobe Premiere e o Final Cut são excelentes opções para editar vídeos. Ambas contam com recursos mais profissionais e completos, mas são pagas. Entretanto, os próprios sistemas operacionais oferecem alternativas de softwares de edição de vídeo, que são mais simples, porém gratuitas.

O Windows conta com um editor próprio de fotos e vídeos, já o macOS, da Apple, disponibiliza o iMovie.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://blog.eadplataforma.com/producao-de-conteudo-ead/como-gravar-videoaulas/

Veja como professores estão deixando as aulas remotas mais atraentes

Você, professor(a) podem estar passando (ou já passou) pela dificuldade de engajar os seus alunos durante essa pandemia, não é mesmo?! Então o exemplo destes outros professores podem te dar ideias e inspirar para encontrar outros caminhos para suas gravações das aulas. Veja!

As aulas online de diversas matérias começaram a ficar mais interessantes para os alunos depois que estes professores passaram a ir para dentro de cavernas, florestas ou até mesmo ao lado de uma ossada de dinossauro. Isso começou a acontecer assim que um acampamento pedagógico de Tatuí/SP disponibilizou a professores a oportunidade de gravarem aulas e “lives” (transmissões ao vivo) aos alunos durante a pandemia.

“A gente começou a ver a dificuldade que os professores estão tendo para se reinventar e resolvemos abrir nossa estrutura que sempre foi buscada por eles. A iniciativa é para agregar valor ao conteúdo passado ao alunos”, explica o gerente do Sítio Carroção, Felipe Guimarães.

A professora Thais Mirela Andrade, por exemplo, trabalha com educação infantil e está indo ao acampamento para gravar as aulas, já que percebeu um maior interesse dos alunos pelo conteúdo.

“A gente tenta mostrar para as crianças um pouco do mundo lá fora. Muita criança mora em apartamento e não tem a oportunidade. Para a gente também é uma experiência ímpar mostrar este tipo de coisa e estar neste ambiente”, diz.

O local

No local também há um mapa gigante, trilhas para cavernas, floresta, avião de guerra e até uma área que simula um sítio paleontológico e abriga o fóssil de um Tiranossauro Rex, com 14 metros de comprimento.

“Está sendo um momento inovador para os professores. É difícil, mas estamos inovando a cada momento. A família está acompanhando mais e ajudando neste momento. A ligação família e escola melhorou”, afirma a professora Pâmela da Silva.

Pais veem com bons olhos a inovação

Por causa das medidas de prevenção contra o coronavírus, a filha de Mariana Zuchi está tendo aulas pela internet. Ela afirma que o cenário exterior dos professores chama a atenção da pequena Marina.

“É um cenário diferente que ajudou a gente a prender atenção das crianças durante a aula online todos os dias.”

Créditos das fotos: Reprodução/TV TEM

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://g1.globo.com/sp/itapetininga-regiao/noticia/2020/07/05/professores-gravam-em-cavernas-e-floresta-para-deixar-aulas-mais-atraentes-na-pandemia.ghtml

Estes professores usaram esta ferramenta para os desafios da pandemia

Os professores Jonatan Alan e Thadeu A. Miqueletto fundaram a Discovery Talents Education na intenção de trabalhar com competições e também levar o ensino de robótica por meio da metodologia STEM (sigla em inglês para designar ciência, tecnologia, engenharia e matemática). Confira!

Eles trabalham com todas as idades e, no momento, têm alunos de 5 a 18 anos, com modalidades por faixa etária. Para os mais novos, por exemplo, utilizam o WeDo, mas sempre que os pais vão fazer a matrícula na escola, reforçam que não se trata de brincar com as peças, mas que o aluno aprenderá lógica de programação, o que é muito diferente de pegar um tablet e ficar jogando, por exemplo.

Pandemia e projeto

“Antes da chegada da pandemia, já tínhamos vontade de usar outros métodos, como micro:bit, um hardware baseado em uma pequena placa programável que inspira a criatividade digital, Arduino, Scratch, e outras tecnologias para trabalhar de forma online com os alunos. Com o distanciamento social, tivemos que nos adaptar rapidamente para essa linha de trabalho”, ressalta Thadeu.

Eles começaram a adotar a micro:bit com atividades livres que postavam em sua página do Facebook e do Instagram para que, conforme os alunos iam realizando, tivessem tempo de montar o curso propriamente. Eles montam um vídeo explicativo com o passo a passo da programação e, se os estudantes não conseguirem realizar a atividade de forma autônoma, marcam horários para tirar as dúvidas.

“Alguns responsáveis ligavam na escola dizendo que os filhos não estavam se adaptando à aula online. Como nós já tínhamos as plaquinhas de micro:bit na escola, emprestamos como forma de motivar e reter alguns alunos. Ter a placa em casa é um atrativo, pois as crianças sentem falta da parte mão na massa, de brincar com a placa e programar as luzes de LEDs”, diz Thadeu.

A ideia deles é, daqui um tempo, colocarem mais uma fase de atividades. “Então manteremos a realização de um vídeo explicativo com a programação, um vídeo explicando como baixar a programação e ajustar na plaquinha e também a parte maker, ou seja, que o aluno possa construir algo com materiais dentro de casa e usar a placa. Nós conseguimos, por exemplo, fazer um relógio com a placa e fazer o bracelete com papelão”.

Já com o Scratch foi um pouco diferente. Como eram muitos alunos e quatro professores, dividiram em grupos menores e cada docente fica responsável por cerca de cinco ou seis estudantes, o que ajuda a dar uma atenção mais individual.

Apesar de terem encontrado certa resistência com essa migração para o online, eles conseguiram reverter bastante aluno. Sempre que realizam alguma atividade, eles solicitam para que os responsáveis mandem vídeos e fotos. E com isso, estão recebendo inúmeros relatos dos estudantes, que estão muito envolvidos.

“A vivência da robótica e da programação torna a criança muito mais crítica, pois ela não se contenta simplesmente com uma resposta. Ela passa a entender que existem diversas maneiras de resolver um problema. Por ser uma metodologia de ensino horizontal, o STEM permite que a criança passeie por todas as disciplinas. Mesmo que seja baseada em ciências, engenharia e matemática, é possível ensinar português, lógica e filosofia, porque o aluno precisa de todas as disciplinas e bagagens que têm para resolver o desafio colocado”, pondera Thadeu.

Crédito das fotos: PorVir

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://porvir.org/professor-de-robotica-adapta-metodologia-stem-para-aulas-remotas/

Aprenda como reinventar as suas aulas com estas ferramentas (parte 1)

Veja estas 2 dicas para aprimorar as suas apresentações em slides e engajar mais os seus alunos nas aulas remotas durante a pandemia.

O já famoso “PPT” (mais conhecido Power Point) e o Google Slides ainda merecem muito espaço nas estratégias para manter a atenção dos alunos, principalmente durante esse período de pandemia e aulas à distância.

Ainda que profissionais da educação mais inovadores digam que eles já deveriam ter caído em desuso, outros professores estão mostrando justamente ao contrário, através de utilização não convencionais dessas ferramentas.

1) Esta professora está utilizando o chat para construir os PPT’s

Annelize Jacoby, professora de produção de texto em turmas do Fundamental 2 e Ensino Médio de uma escola particular de Campinas (SP), adotou um jeito diferente de usar o PPT. Ao invés de levar apresentações prontas para as aulas de verbetes com a turma do 6º ano, ela construiu os slides com a participação dos alunos. Primeiramente, Annelize pediu que os alunos pesquisassem definições diferentes de algumas palavras e mandassem os resultados no chat do Google Meet (aplicativo de comunicação por chamada de vídeo), enquanto ela montava os slides. Em seguida, Annelize avaliou cada elemento com a turma, refletindo sobre sinônimos, classificação gramatical, etimologia, dentre outros pontos. 

Depois desse processo, a professora disponibilizou a apresentação para consulta no Google Sala de Aula (Google Classroom, serviço online gratuito para professores e alunos). Nesse processo, um ponto interessante para ela é que os materiais de cada turma nunca são os mesmos porque são elaborados a partir da interação com os estudantes. “Essa é uma tentativa de construir o conhecimento junto com os alunos. Por isso, nunca chego com os slides prontos, seja no ensino presencial ou no remoto”, diz.

2) Arquivos de áudio para leitura? Sim!

Professora de Língua Portuguesa na Escola Municipal Antônio Maceo, no Rio de Janeiro, Helena Correia tinha como desafio promover o gosto pela leitura nas turmas da Educação Infantil e do Fundamental 1. Com a pandemia e o consequente isolamento social, ela percebeu que não teria como continuar com as mesmas práticas de ensino, principalmente porque muitos alunos praticamente não têm livros em casa.

Helena pesquisou sobre o PowerPoint e viu que dava para criar uma apresentação com o áudio de um poema de Cecília Meireles. “Montei os slides, depois gravei a leitura do poema, usei alguns efeitos de gravação que a própria ferramenta oferece, e, por fim, salvei em formato mp4”, explica. Outra produção da professora foi um passo a passo de como fazer uma boneca abayomi, símbolo de resistência de povos africanos. “Tenho aprendido muito nesse processo”, diz. “É algo novo para mim, uma vez que não conhecia todas as potencialidades dessa ferramenta”. O resultado, segundo ela, é visível. “Vejo que as crianças estão gostando muito. O nível de interesse e de participação aumentou nas aulas”.

Confira a segunda parte da postagem, aqui.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://novaescola.org.br/conteudo/19403/ensino-remoto-como-reinventar-sua-aula-com-ppt-e-google-slides

E quando o coronavírus passar? Como fazer para recapitular as aulas?

Carolina Pavanelli é diretora pedagógica da Plataforma de Ensino Eleva e, para ela, avaliação diagnóstica e mapeamento dos conteúdos serão pontos importantes para impedir que eventuais lacunas de aprendizado se perpetuem na volta às aulas presenciais. Confira os pontos levantados por ela!

1) Avaliação diagnóstica

Para ter uma recapitulação dos conteúdos é necessário fazer um diagnóstico do conteúdo trabalho do período de isolamento social. A escola deve usar a tecnologia para buscar diagnósticos individualizados de cada aluno, já que as diferenças de aprendizado podem ter sido ainda maiores durante as aulas remotas, dependendo, por exemplo, do contexto do aluno, ambiente de estudo e acesso à tecnologia.

Os diagnósticos devem ser baseados nos planos de aula e no conteúdo que se buscou passar do início ao fim da quarentena, um período que será variável de acordo com a escola, o município ou o estado. Para Carolina Pavanelli, este diagnóstico ajudará a mostrar o que o aluno aprendeu ou não aprendeu, e servirá para direcionar não apenas o próprio estudante, mas também o corpo docente. “Se a avaliação mostrar um índice muito grande de erros nas questões relativas a um tópico específico, pode ser interessante que o professor volte a trabalhar este tópico com os alunos”, explicou.

2) Autoavaliação dos estudantes

A diretora pedagógica da plataforma Eleva também recomenda que os alunos façam autoavaliações sobre o período de quarentena, inclusive abordando questões emocionais e temas que vão além do conteúdo. Para ela, a autoavaliação também ajuda a escola a entender as necessidades específicas dos estudantes. “Queremos saber como foram estas semanas, quais as dificuldades e facilidades, como o aluno montou sua rotina e como foi todo o processo”, afirmou Carolina.

Ela destacou, porém, que a escola deve comunicar de forma clara, tanto aos alunos quanto aos pais, que estas avaliações não são provas convencionais e que o objetivo é fazer um diagnóstico, não checar se o aluno aprendeu determinado conteúdo para passar de ano. Do contrário, pode-se criar ansiedade. “Os estudantes e os professores não estavam em férias: estavam passando por uma crise humanitária, sanitária e econômica mundial”, disse. “É preciso ter cuidado com a comunicação.”

3) Mapeamento do conteúdo

Antes da volta às aulas presenciais, o corpo docente também deve fazer uma avaliação do período de isolamento social. A Eleva recomenda que o professor de cada disciplina, orientado pela coordenação e a direção pedagógica, faça um mapeamento do conteúdo abordado dividindo-o em “grandes temas”. Esta divisão ajudará a otimizar e dar mais objetividade ao processo de recuperação do conteúdo, que deverá ser realizado ao mesmo tempo em que novos conteúdos estarão sendo dados.

Como grande parte das escolas não terá tempo nem espaço para desenvolver estes dois processos presencialmente, a recuperação, de forma geral, será feita online. “É como se fosse o tempo que o aluno dedica ao estudo em casa: uma recuperação objetiva e direcionada aos conteúdos nos quais ele apresentou mais dificuldade a partir da avaliação diagnóstica”, definiu Carolina.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://porvir.org/como-recapitular-o-conteudo-das-aulas-remotas-no-pos-quarentena/  

4 passos para montar um plano de aula remoto

Com a pandemia em pleno andamento, as aulas à distância têm sido o caminho para manter o conhecimento e educação dos alunos acontecendo. Mas se você está com dificuldades de implementar as aulas, confira estes 4 passos para montar um plano de aula remoto.

1) Meios para se comunicar com os alunos virtualmente

O meio digital já faz parte do dia a dia da maioria dos estudantes, sendo que muitos deles se comunicam com mais desenvoltura que os próprios professores. Por isso é tão importante a interação nesses ambientes. E as ferramentas para isso, são muitas. Confira algumas delas:

WhatsApp: Utilização para conversas individuais, em grupos ou através de listas de transmissão;

Google Hangout Meets: Plataforma de webconferência para até 100 pessoas ao mesmo tempo;

Skype: Plataforma de comunicação para uma quantidade reduzida de pessoas;

Google Forms: Criação de avaliação, simulados e provas para resolução no formato digital;

Microsoft Teams: Trabalhe em equipe usando chat, compartilhando arquivos e fazendo chamadas com vídeo.

Procure identificar as tarefas que podem ser transpostas, facilitadas ou repensadas para o meio digital. Utilizar um ambiente virtual de aprendizagem, caso a sua escola ou o seu sistema de ensino disponha de um, é um ótimo exemplo.

O Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) funciona como uma “sala de aula” virtual, que traz videoaulas, planos de estudo e atividades, além da análise de dados educacionais.

2) Encaminhamento metodológico para o plano de aulas remotas

Se no modelo tradicional o professor em uma aula expositiva explica a matéria no quadro para que depois os alunos façam sozinhos a lição de casa, neste encaminhamento metodológico para o desenvolvimento de plano de aulas remotas, a sugestão é que primeiro o aluno realize a internalização dos conceitos essenciais antes da aula e depois com a ajuda da orientação do professor discutam os conhecimentos adquiridos e tirem possíveis dúvidas, seguindo a lógica da sala de aula invertida.

Considere propor que o primeiro contato com o conteúdo (estudado previamente à distância) seja feito por meio do uso de materiais digitais, como: videoaulas, games, podcasts, pesquisas, textos, fóruns, etc.

O material didático e sistema de ensino podem ser grandes aliados do professor na elaboração do plano de aulas remotas. Confira se o seu material traz encaminhamentos metodológicos, sugestões de atividades, referências, propostas de avaliação e outros elementos que possam auxiliar na construção do plano de aula.

3) Atividades avaliativas para o plano de aulas remotas

Para o desenvolvimento do plano de aulas remotas, o professor pode solicitar aos alunos a realização das atividades contidas no livro e o envio de um print das respostas por e-mail ou WhatsApp. Também é possível utilizar esse dispositivo para o envio de áudios para a turma, com explicações e encaminhamentos para realização dos exercícios.

O professor também pode desenvolver suas próprias avaliações, pesquisas e questionários utilizando ferramentas gratuitas, como o Google Forms.

Caso a sua escola utilize um sistema de ensino, uma dica é verificar se ele disponibiliza avaliações em formato digital, como atividades de fixação e reforço, provas e simulados.

4) Promova discussões práticas na elaboração do plano de aulas remotas

Que tal promover a discussão prática do conteúdo teórico trabalhado nas aulas remotas? O professor pode abrir um chat para discutir o assunto abordado na aula através das diversas ferramentas de comunicação sugeridas nesta matéria.

Aproveite este momento para criar espaços para a interação entre os próprios estudantes. Promova debates e estimule a participação e a exposição de diferentes pontos de vista.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://salettoedu.com/veja-4-passos-para-montar-um-plano-de-aula-remoto/