Conexão Xalingo – Blog

Tag - aplicativos em sala de aula

Você inova na sua sala de aula? Queremos saber!

A Xalingo Brinquedos acredita que a inovação e a tecnologia fazem parte do nosso dia a dia, e claro, também precisam estar inseridos na sala de aula. Foi pensando nisso que a empresa criou esse blog, para que você possa buscar formas inovadoras, diferenciadas e interessantes de ensinar seus alunos ou mesmo os seus filhos em casa.

O ano letivo está começando e queremos saber sobre como você irá inovar com os seus alunos em 2016. Aqui mesmo pelo blog você pode enviar o seu relato da ação feita com os seus alunos, enviando fotos e histórias desse momento com as crianças.

Contando a sua história de inovação e criatividade em sala de aula outros educadores, pais e até professores terão acesso à sua história e ela pode ajudar outras pessoas a buscarem formas mais criativas e prazerosas de ensinar!

Aplicativos para professores usarem em sala de aula

As aulas estão começando somente agora depois do carnaval e nada melhor do que ajudar os educadores a inovar na sala de aula e trazer para os seus alunos aulas mais criativas e cheias de conteúdos interessantes, com a ajuda da tecnologia, é claro!

Nada melhor do que utilizar a tecnologia a seu favor, o tablet é uma ferramenta completíssima que se utilizada da forma adequada pode lhe beneficiar enormemente ao dar aulas!

Separamos uma lista com aplicativos bem legais que irão te ajudar no ano letivo que está começando. Baixe no seu tablet e faça bom proveito.

  • TeacherKit: Com este App você poderá criar várias salas de aula, organizar a posição dos alunos (mapa da sala), adicionar dados de contatos dos alunos e dos pais, lançar notas e presença, tudo de forma descomplicada. Grátis.
  • ShowMe Interactive Whiteboard: Já pensou em utilizar seu tablet como uma lousa digital? É possível e o aplicativo não custa nada, você somente precisará de um cabo para conectar seu tablet ao projetor. Grátis.
  • Evernote: Se você quer um aplicativo perfeito para realizar anotações o nome dele é Evernote, ele tem integração na nuvem ou seja, você poderá sincronizar entre vários dispositivos móveis. Grátis.
  • Skitch: Este aplicativo é muito interessante pois permite que você faça anotações sobre conteúdos, como fotos, mapas, páginas da internet, e muito mais. Com ele você facilmente poderá apresentar matérias novas aos alunos, usando a criatividade eles ficarão muito atentos ao que você está mostrando. Grátis.
  • Pages: O Word para tablets se chama Pages e foi desenvolvido pela Apple, acredito que todo professor precise deste aplicativo pois é ele que vai lhe permitir redigir provas, exercícios e tarefas, utilizando o Pages juntamente de um teclado externo você transformará seu tablet em um computador de verdade. Pago.
  • Keynote: Este é o Power Point para tablets, também desenvolvido pela Apple este aplicativo esbanja qualidade gráfica e é altamente impactante, suas aulas nunca mais serão as mesmas depois que você incorporar o Keynote na criação de slides. Pago.
  • Numbers: O Excel para o tablets chama-se Numbers, criado pela Apple com todo o cuidado necessário para que você possa editar planilhas em seu tablet. Pago.

Aplicativo ajuda a reconhecer as mais variadas plantas

Que tal dar um incremento nas suas aulas de biologia e ciências? Muitas vezes a criançada pode achar chato estudar sobre plantas e animais apenas olhado pelos livros. Mas e se você inovar e sair a campo para explorar a natureza e mostrar inloco para os seus alunos?

Acredita-se que exista aproximadamente 298 mil tipos diferentes de plantas, sendo que mais de 215 mil já estão devidamente catalogadas. Imagina se fosse possível mostrar um pouco desse vasto mundo para os seus alunos?

O PlantNet, foi apresentado pela primeira vez em 2013, na 50° edição do encontro Paris Internacional Agricultura Show, e recebeu neste mês de abril de 2015 sua mais nova atualização. Basicamente, o programa consegue identificar uma planta ou flor para seu usuário que não sabe de qual espécime se trata.

Para fazer o PlantNet funcionar, basta tirar uma foto da planta ou flor e colocar o aplicativo para buscar a imagem correspondente em seu banco de dados. Assim que o sistema identifica a espécie que combina com a foto tirada, ela é mostrada na tela para seu usuário saber qual planta ou flor está contemplando.

O banco de dados do PlantNet, claro, não possui as 215.644 espécies em seu banco de dados. Possui muito menos, aliás, pouco mais de 4 mil, e com foco em espécies não ornamentais, mas o programa recebe atualizações e o crescimento da rede de usuários, que encaminham fotos e identificam os espécimes que conhecem, depois de validadas por uma equipe científica, só faz crescer a capacidade do PlantNet de ajudar aos amantes das plantas e das flores a conhecer um pouco mais da riquíssima biodiversidade de nosso planeta. O aplicativo está disponível pela iOS e Android.

Algumas dicas de como usar o Google em sala de aula

Todo mundo conhece o Google! O site é referência quando o assunto é pesquisa na Internet, além de ser proprietário de redes sociais e outras ferramentas da Internet. Pois esse gigante do mundo tecnológico pode ser seu aliado na sala de aula.

Em vez de brigar com os alunos que não desgrudam de seus celulares e tablets em sala de aula, cada vez mais professores usam a tecnologia a seu favor. O Google pode ser uma ótima ferramenta para ajudar você em várias tarefas do dia a dia. Veja algumas delas:

Trabalhos em grupo no Drive: Ferramentas como o documento ou a planilha do Google Drive permitem que múltiplos usuários editem um trabalho ao mesmo tempo, o que facilita a construção de trabalhos coletivos. Você ainda pode acompanhar o desenvolvimento das tarefas e verificar o que cada estudante produziu. Nos trabalhos em grupo é comum algum aluno pedir para incluir o seu nome no trabalho mesmo ele não tendo contribuído com a tarefa. Com a ajuda do Google Drive isso não é mais possível.

Classroom: É um aplicativo criado especialmente para a educação. Permite a criação de uma sala de aula virtual onde o professor pode organizar tarefas e medir os desempenhos de alunos, além de compartilhar documentos. Diferentemente de outras plataformas de ensino a distância, no Classroom, os alunos também podem criar e compartilhar documentos, com a aprovação do professor.

Conferências via Hangout: Muitas vezes o professor quer levar um convidado para explicar um determinado assunto na aula, mas conciliar a agenda é difícil. Se o palestrante for de outra cidade, o problema é ainda maior. O Hangout do Google Plus pode ser a solução. Com ele, o contato pode ser feito por meio de vídeo conferência, inclusive com a participação de mais interlocutures. A conversa ainda pode ser transmitida ao vivo e depois ficará salva no YouTube. A ferramenta também pode ser útil para alunos que, por alguma razão, faltaram a aula.

Google Earth: Você pode viajar com os seus alunos para qualquer lugar do mundo, inclusive nos oceanos. Com o Street View é possível andar pelas ruas das maiores cidades do mundo, uma verdadeira aula de geografia na tela do seu computador.

Instituto Cultural Google: Vai ensinar sobre a Revolução Francesa, então viaje com os seus alunos ao Palácio de Versalhes, onde a corte francesa vivia na época. Ou ainda, visitar museus e monumentos históricos, maravilhas do mundo e muito mais.

Youtube.com.br/edu: O YouTube já é bastante reconhecido como um bom aliado para o ensino de conteúdos com o auxílio de seus vídeos tão diversos. No entanto, professores podem ter dificuldades para filtrar somente os materiais educativos.

Inclusive os alunos da professora Bruna Negreiros trabalharam com ferramentas do Google. A gente contou essa história aqui no blog.

Fonte: www.tecnologia.terra.com.br

 

Os três erros mais comuns ao dar aula com a ajuda da tecnologia

A gente já falou várias vezes aqui no Conexão Xalingo da importância do uso da tecnologia em sala de aula. Ela pode ser sua aliada no ensino dos alunos e isso pode fazer a diferença na educação deles. Mas nem sempre usar a tecnologia em sala de aula é uma tarefa fácil e alguns professores acabam desistindo de usar a novidade com medo de cometer alguns erros.

A Universia Brasil pesquisou e separou os três erros mais comuns que os educadores cometem quando usam a tecnologia em suas aulas. Saiba mais são eles e assim se prepare para evitar que eles ocorram na sua sala de aula.

1 – O próprio docente escolher a tecnologia

A criançada hoje em dia sabe mais de tecnologia do que os adultos. Por isso, nada mais natural do que consultar os alunos antes de escolher qual será a tecnologia que será usada na sala de aula. Se você escolher a ferramenta pode acabar prejudicando a atividade. Por isso, deixe-os escolher os aparelhos e ferramentas utilizados nas dinâmicas em sala de aula. Eles mesmos poderão conduzir uma apresentação oral diferente, por exemplo, e ensinar os colegas novas habilidades.

2 – Acreditar que a tecnologia é uma distração

Muitos professores pensam que os dispositivos não podem oferecer a turma experiências de aprendizagem valiosas porque representam uma fonte de distração. Se elas são capazes de atrair a atenção dos estudantes, por que não usar isso ao seu favor?

3 – Não começar pelo final da atividade

Se você não sabe aonde quer chegar com aquela atividade, é de fato possível que os alunos se percam em meio à dinâmica da sala de aula. Por isso, pense qual é o seu objetivo com esta tarefa e crie o caminho no qual você inserirá a tecnologia a partir dele. Assim, nem você, nem seus alunos se perderão durante o processo.

 

Aplicativos ajudam estudantes novos idiomas

O uso de aplicativos em sala de aula tem sido cada vez maior e só quem tem a ganhar com isso são os estudantes, e claro, os educadores, que trazem aos alunos novas formas de ensinar. Se você é professor de línguas e quer diversificar o ensino do idioma para os alunos uma ótima opção são os aplicativos que ensinam novas línguas. A maioria é gratuita e muito fácil de usar.

O aplicativo pode ser usado como uma extensão da sala de aula. Por exemplo, você pode sugerir atividades em casa feitas no aplicativo, por exemplo, como uma forma de tema. Com certeza os alunos vão gostar muito mais do que fazer a atividade de forma convencional.

Conheça alguns dos aplicativos de idiomas disponíveis, mostre para os seus alunos e inove na forma de ensinar novas línguas. Eles vão adorar.

LinguaLeoM – Com o mote “aprenda inglês jogando”, o app gratuito permite que o usuário escolha o nível de dificuldade do curso e treine o idioma jogando. A versão do aplicativo para brasileiros tem um dicionário com áudio para cada palavra, recursos multimídia (músicas, vídeos, artigos e piadas em inglês), treinos para memorização e exercícios para aprender novas palavras em inglês. Disponível na App Store (iOS, iPhone), no Google Play (Android) e no Windows Phone

Babbel – Disponível em dez idiomas, os aplicativos gratuitos permitem a consulta de vocabulário básico e avançado utilizado em situações cotidianas. São mais de 3.000 palavras com imagens e áudio. Também é possível treinar e avaliar a pronúncia em inglês com reconhecimento de voz. Disponível no Google Play (Android), no Windows Phone e na App Store (iOS, iPhone)

Duolingo – Um dos aplicativos gratuitos de maior sucesso do mundo, o Duolingo permite que o usuário faça exercícios em até seis idiomas (português, espanhol, francês, alemão, italiano e inglês). Você pode fazer lições diárias com perguntas rápidas, testes com imagens e áudio. A cada acerto você pula de nível e ganha pontos. Quando você chega num determinado nível, pode traduzir textos para a comunidade Duolingo e compartilhar o que aprendeu.
Disponível no Google Play (Android) e na App Store (iOS, iPhone)

Na Ponta da Língua – Criado pela Reader’s Digest brasileira, o aplicativo é gratuito e funciona como um tradutor. Pode ser muito útil durante viagens internacionais, na hora de ir às compras, restaurantes, em caso de emergências e na hospedagem. Traz exemplos de frases e conversas escritas em seis idiomas, com tradução para o português.
Disponível apenas na App Store (iPhone).

Você usa smartphones para ensinar os seus alunos? Pois deveria!

A gente já comentou por aqui que até mesmo a Unesco já aprovou o uso de tablets e smartphones em sala de aula como forma de ensino aos alunos. Esses aparelhos fazem parte da vida das crianças desde muito cedo e cabe aos educadores saber como inseri-los na educação dos estudantes. Eles podem ser amarmas valiosas para ensinar de uma forma criativa e muito inovadora.

Uma pesquisa realizada pelo Pew Research Center em 2013 descobriu que 58% dos professores dos EUA possuem smartphones, um equivalente a 10 pontos percentuais acima da média nacional para os adultos. Cerca de 25% de todas as salas de aula no país já contavam com a presença desses dispositivos, e é razoável supor que esses números tenham aumentado ainda mais nos últimos dois anos.

Como os professores podem capturar e manter a atenção dos alunos em suas salas de aula se eles não têm o controle das telas em seus telefones? Essa é apenas uma das questões que tem assolado os professores que resistem este passo para o século XXI, a outra é que eles não percebem que eles próprios têm o poder de usar essas pequenas telas para conduzir suas aulas para as mentes de seus alunos.

A pesquisa questionou os professores sobre o impacto educacional da tecnologia na sala de aula. As respostas foram quase todas muito positivas:

– 73% dos professores relataram que permitiam o uso de dispositivos móveis em suas salas de aula, muitas vezes graças às suas próprias instruções, outras vezes permitindo que os alunos utilizassem a internet para completar as tarefas

– Professores de humanas são mais propensos a usar estas tecnologias em sala de aula do que professores de exatas.

– 47% dos professores acham essencial, e outros 44% acham importante que os alunos façam cursos  de alfabetização digital para serem bem sucedidos academicamente.

Mais recentemente, um estudo focado separadamente em crianças de quinta e oitava série mostrou que as que usaram tablets para o aprendizado em sala de aula e em casa tiveram seu rendimento escolar bastante acelerado. Cerca de 35% dos alunos da 8ª série disseram que eles ficavam mais interessados em seus professores ou atividades de sala quando elas usavam tablets. O resultado superou as expectativas acadêmicas dos professores. Quando o relatório final ficou pronto, concluiu-se que 54% dos estudantes se envolvem mais nas aulas que utilizam tecnologia e 55% deles afirmam que gostariam de aumentar o número de matérias que utilizassem jogos educacionais ou outras formas de simulação para ensinar as lições.

 

Aplicativo gratuito ajuda professores em sala de aula

Pensar num mundo sem tecnologia atualmente é quase uma loucura, então, por que não incluí-la mais ativamente nas salas de aula? É esse o objetivo de um grupo de alunos do mestrado em Educação da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Presidente Prudente, que desenvolveram o “Metaplicativo”, que é um aplicativo que ensina os professores a aproveitar a tecnologia dos dispositivos móveis em favor do aprendizado dos seus alunos.

Disponível para download a novidade é totalmente gratuita e vem de encontro ao que a “geração digital”, formada pelos alunos de hoje, precisa para estar mais sintonizada com os estudos.

Através do aplicativo, é possível trocar experiências com outros professores, ler textos e escutar áudios sobre o tema e ainda fazer um “App” com os alunos. A ferramenta apresenta os seguintes tópicos: “Acesse os áudios”, “Mobilidade na educação”, “Como usar a mobilidade”, “Relatos de experiência”, “Textos para leitura” e “Faça seu APP”.

O app reúne um conteúdo instrutivo sobre a importância da tecnologia móvel na sala de aula, com links, textos e áudios explicativos. Além disso, a plataforma tem tutoriais. Entre eles, há um que ensina o professor a criar vídeos com a técnica stop motion, usando fotos tiradas pelo celular e um programa de edição gratuito para computadores com sistema Windows. Um outro guia ensina professores a criar aplicativos de forma simples e gratuita.

O software está disponível gratuitamente para dispositivos Android, Apple, Windows Phone e Firefox.

 

Os maiores desafios do uso da tecnologia na sala de aula

O uso da tecnologia em sala de aula pode ser um aliado na aprendizagem das crianças - 2

Qual o maior desafio no uso da tecnologia na sala de aula? Sabemos que a tecnologia é uma constante na nossa vida e também no dia a dia das crianças. Por isso mesmo, a escola não pode ficar de fora dessa tendência e aplicar essas modernidades na sala de aula pode ser muito interessante para o ensino da criançada.

Os educadores precisam encontrar formas de inovar no ensino do conteúdo convencional e tentar aliar isso a tablets, smartphones, sites e tudo mais que está ao nosso dispor, transpondo os muros da escola e expandindo o conhecimento dos seus alunos.

Mas é preciso ter em mente que é um desafio usar a tecnologia na sala de aula. Cabe ao educador entender a necessidade da turma, e também de cada aluno, e conseguir trabalhar os temas propostos no currículo com o uso de tecnologias novas.

Pesquisamos e compartilhamos com vocês cinco desafios que precisam ser superados para que a tecnologia seja aplicada dentro de sala de aula. Vamos lá:
Investimento e infraestrutura

Nem todas as escolas conseguem acompanhar as mudanças tecnológica dos dias de hoje. Renovar os equipamentos constantemente, oferecer amplo acesso à Internet banda larga e ter mão de obra especializada para manutenção e operacionalização das redes exige investimento contínuo por parte dos gestores.

Contato real versus virtual
Por mais que as redes sociais e os recursos de interação tenham um papel fundamental para fomentar debates, o contato real ainda é importante. Em cursos a distância, por exemplo, é preciso estar comprometido em fazer todas as disciplinas, mesmo sem o incentivo constante de colegas e professores. Claro, tudo depende de como a aula é conduzida. Um professor que mantenha os alunos atentos pode tornar o contato virtual tão interessante quanto o real.

Distração
Muitos educadores acham que os smartphones e tablets podem ser apenas uma fonte de distração para os alunos. Claro que, em alguns casos, isso é verdade. Os jovens se distraem com facilidade e os smartphones e tablets podem tornar rotina de sala de aula um tanto estressante. Aí entra o papel do professor. Ele precisa usar esses equipamentos a seu favor e tornar a aula mais motivadora, mas sem perder o foco no ensino.

Excesso de facilidade
Se mal utilizada, a tecnologia pode facilitar em excesso as tarefas dos estudantes. Muitos aplicativos fornecem respostas prontas e rápidas para os alunos e aí ele acaba sem aprender ou ir mais a fundo na atividade proposta pelo professor. É preciso encontrar um ponto de equilíbrio entre a utilização correta dos aplicativos e o uso desregrado.

Avaliação dos alunos
Usar tecnologia não significa, necessariamente, que os estudantes vão se sair melhor nas avaliações tradicionais. O aprendizado depende diretamente da motivação – utilizar aplicativos sem qualquer critério pedagógico pode não instruir os jovens. Os defensores do uso da tecnologia em classe acreditam que os resultados dos testes padronizados pode não ser o melhor indicador de inteligência do aluno. No entanto, avaliações que comportem esse novo jeito de ensinar ainda não surgiram.

Superar as limitações que ainda dificultam a união de tecnologia e educação é o desafio de gestores e educadores.

Compartilhe com a gente: quais são as dificuldades e facilidades que você encontra para implementar o uso da tecnologia com os seus alunos!