Conexão Xalingo – Blog

Programação (também) é coisa pra gente pequena

O tempo em que programação era de códigos indecifráveis e restrita a um seleto grupo de pessoas, cada vez mais, tem ficado para trás. Hoje há inúmeros exemplos de crianças e adolescentes que já conseguem criar, praticamente sozinhas, programas e aplicativos que são resolução de diversos problemas, graças às interfaces cada vez mais intuitivas e didáticas.

Itatiba, uma cidade do interior de São Paulo, também dá mostras de que a programação é muito bem-vinda pelos alunos e está aplicando, em salas de aulas, a criação de programas para celular. A ideia surgiu quando quatro adolescentes se uniram para tentar solucionar um problema corriqueiro: como tornar mais ágil a comunicação entre professores e alunos? A solução que pensaram foi a utilização de celular, mas sem recorrer a ligações ou programas que desviassem a atenção dos usuários para assuntos de fora da escola.

A ideia está sendo posta em prática e tem como princípio ser uma espécie de “Whatsapp escolar”, segundo Roberta Mourão, de 13 anos, que faz parte de um grupo que aprende princípios da programação computacional na escola. A rede municipal de educação de Itatiba, onde Roberta estuda, inclui a programação na grade escolar e, num programa do Instituto Ayrton Senna (IAS), intitulado Letramento em Programação, e que começou com 170 alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, de seis escolas da cidade aprendendo programação, hoje já são 400, de 13 colégios.

Este ano, quem participou da fase-piloto do projeto, já cursa seu terceiro módulo, chamado “Tecnologia e Empreendedorismo”, e para a introdução da nova etapa, houve uma dinâmica na sede da Instituição Ayrton Senna, onde os alunos foram desafiados a pensar em aplicativos que resolvessem problemas da comunidade onde vivem. O resultado foi ótimo: surgiram programas para reciclagem, acessibilidade e combate à violência contra a mulher.

O projeto visa não somente à codificação de programas, mas também visa trabalhar conceitos como liderança, respeito, ética e cidadania, conscientizando alunos sobre a realidade onde estão inseridos e buscando formas de reverter situações problemáticas. Além disso, professores de sala e técnicos de informática das escolas de Itatiba são capacitados, pelo Instituto Ayrton Senna para ministrar aulas de programação, tornando-os confortáveis para abordar os conceitos e metodologias previstos no programa.

 

Fonte: Época 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *